Município de Rubim em processo de desertificação, segundo estudos PAE/MG


Um terço do território mineiro corre o risco de virar deserto se nada for feito para combater a degradação do solo.A ameaça, que pode se concretizar em 20 anos, recai sobre 142 municípios que ocupam 177 mil quilômetros quadrados na Região Norte e nos vales do Jequitinhonha e Mucuri, onde predominam os climas semiárido e subúmido seco e de entorno.

As áreas, de baixa precipitação pluviométrica, já são suscetíveis à desertificação, que torna inviável o uso delas para fins econômicos e sociais. Para piorar, o processo é acelerado pela ação do homem, como indica o Plano de Ação Estadual de Combate à Desertificação e Mitigação dos Efeitos da Seca em Minas Gerais (PAE/MG). O estudo foi elaborado pelo Governo do Estado, conforme exigência do Ministério do Meio Ambiente.

Matas ciliares do rio Jequitinhonha e afluentes pouco existem. Atividades intensas de agricultura e pecuária, desmatamento indiscriminado, irrigação mal planejada e cultivo de monoculturas em ecossistemas frágeis, de baixa capacidade de regeneração, levam à perda da capacidade produtiva do solo e da biodiversidade. De acordo com o engenheiro agrônomo Djalma Marcelino Duarte, os municípios de Francisco Sá, Verdelândia, Monte Azul, Mato Verde e Espinosa, no Norte do Estado, além de Santo Antônio do Jacinto, Pedra Azul e Rubim, no Vale do Jequitinhonha, já se encontram em processo de desertificação.

Da exuberante Mata Atlântica nativa de nossa região, resta pouco. No município de Rubim, restam apenas 7%. Dos municípios que compõem a micro-região do Baixo Jequitinhonha, o de Jequitinhonha é o que tem o maior percentual de preservação da mata nativa (22%). Em seguida vem o município de Almenara. A pior situação é a do município de Santo Antônio do Jacinto, com apenas 4% da cobertura nativa original. Estes dados são do SISEMA-Sistema Estadual de Meio Ambiente e Recursos hídricos/MG.


Apontando para cima DIAGNOSTICO AMBIENTAL DE RUBIM, por Ivanilson Costa Barros


BIOMAS

Djalma explica que estas regiões, onde se encontram os biomas Caatinga, Cerrado e Mata Atlântica, apresentam distribuição irregular de chuva. Desta forma, sofrem com o prolongado e rigoroso período de seca, agravado por altas temperaturas. O solo, frágil, ainda é danificado por atividades agropecuárias insustentáveis, queimadas e uso de agrotóxicos. Com o passar dos anos, a terra fica sem nutrientes, impossibilitando o crescimento de qualquer tipo de vegetação – florestas naturais ou plantações feitas pelo homem. Somado a isso, o desmatamento contribui para deixar o solo liso. Sem a cobertura vegetal, que serve para amortecer as gotas de chuva, a água carrega a terra, abrindo sulcos no terreno.

O uso irregular começa, principalmente, a partir dos anos 1970, com a introdução de tratores. Isso contribuiu para o agravamento da situação nestes municípios”, diz o engenheiro agrônomo. Além da questão ambiental, a perda da capacidade produtiva influência no desenvolvimento econômico e social destas regiões. “Sem terra para cultivar, famílias precisam se deslocar para outras regiões”,  explica.

No Brasil, o fenômeno da desertificação acontece em todo o Nordeste do país, no Norte de Minas e do Espírito Santo. Desde 2003, ações do Ministério do Meio Ambiente tentam conter o processo. A Organização das Nações Unidas (ONU) de fine desertificação como danos em áreas de clima semiárido, árido e subú-mido seco. As terras perdem o potencial produtivo devido a variações climáticas, como o aquecimento global, à escassez de chuvas e a atividades humanas degradantes, com impactos ambientais, sociais e econômicos.

Fonte: Blog do Banu, com texto do Sérgio Vasconcelos, da Gazeta de Araçuaí. Adaptações Kawan Dutra.


Páginas relacionadas a esta postagem:



Conheça um pouco mais sobre a cidade de Rubim MG, CLIQUE AQUI Película

Categories: Cidade, climatoliga, Fauna & Flora, Geografia, Informações, Jacinto, made in rubim, meio ambiente, Meteorologia, Montanhas e Cordilheiras, politica, Rio do Prado, Rios e Córregos, Santo Antônio do Jacinto, vale do jequitinhonha | Tags: , , , , , , , , , | 3 comentários

Navegação de artigos

3 thoughts on “Município de Rubim em processo de desertificação, segundo estudos PAE/MG

  1. Muitas vezes o Homem não acredita em estudos e notícias futuras, acreditam apenas que devem a continuar a fazer o que sempre fez, pois existem um paradigma por trás disso tudo, existe uma relação com os antepassados, em relação a cultura adotada. Um exemplo, certa vez, estava na fazenda do meu pai, em Rubim-MG, comunidade do Empedrado, a Fazenda Córrego Fundo, esta por sua vez tinha vizinhos que praticavam um desmatamento acelerado em suas propriedades, e eu, acabando um curso feito no sul de minas, tentei fazer um trabalho de conscientização aos proprietários, e sempre uma resposta era sempre a mesma, ” Meu Pai fazia assim, eu faço assim e meus filhos irão fazer assim”, e com isso mantinham a depredação em suas propriedades.

  2. Hércules

    Òtimo post.

  3. iunilson

    Sobre a pedra do cachorro; muito bonita ja tive a oportunidade de chegar quase ao topo ;pelo lado sul não deu tempo, mas voltarei em breve e muito lido a vista la de cima;

|| EXPONHA SUA OPINIÃO ||

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

site na WordPress.com.

%d bloggers like this: