DICIONÁRIO DO DIALETO RURAL NO VALE DO JEQUITINHONHA


Divera, esses meninos só ficam brigando com os zanzotos.”

 

“Vai banhar cedo porque essa noite vamos ter que ribuçar.”

 

“Esses meninos vivem de cunlundrio na rodagem.”

 

livro

As frases acima são compostas de expressões comuns na cultura de Rubim e região. Estigmatizado como uma região de extrema pobreza e esquecido pelo poder público, a cultura do Vale do Jequitinhonha vem se sobressaindo aos paradigmas e se mostrando muito rica a estudiosos da comunicação Social. No mês passado a professora Caroline Antunes lançou o DICIONÁRIO DO DIALETO RURAL NO VALE DO JEQUITINHONHA na UFMG, em Belo Horizonte.

A obra é resultado de estudo do vocabulário da língua falada na zona rural de municípios do Vale do Jequitinhonha, desenvolvido a partir da coleta de dados feita no período entre 1980 e 2000, sob a coordenação de Carolina Antunes, professora aposentada da Fale. Alguns verbetes foram recolhidos em conversas com a população rural, em mercados e feiras; outros, extraídos de estudos sobre o Vale. Na tentativa de equilibrar a presença de todas as regiões do Jequitinhonha, foram necessários mais de dez anos para chegar ao produto final. De acordo com Carolina Antunes, a pesquisa considerou também dicionários da língua portuguesa, um conjunto de glossários de outras regiões do país, além de pesquisas afins.

Com mais de mil verbetes, o dicionário não se limita a dar o significado da palavra; ele contempla também todas as informações importantes à compreensão de cada verbete: traz o léxico, apresenta em negrito a forma como é pronunciada no Vale do Jequitinhonha, informa se está ou não dicionarizado, se é datado e se há informação quanto à etimologia.

rubim

Advertisements
Categories: vale do jequitinhonha | 4 comentários

Navegação de artigos

4 thoughts on “DICIONÁRIO DO DIALETO RURAL NO VALE DO JEQUITINHONHA

  1. Ivanilson Costa Barros

    Tem algumas palavras faladas no Vale do Jequitinhonha que lembram o idioma espanhol, como por exemplo, “entonces”. É comum na região o uso desta palavra em lugar de então.
    Assim também a expressão “capaz que”. Por exemplo, é capaz que amanhã eu vou em Almenara. Essa mesma expressão (e com o mesmo significado) eu ouvi na Argentina, quando estive lá na província de Córdoba, na zona rural.
    Eu gostaria de saber se a Caroline registrou mais alguns exemplos deste tipo no seu dicionário.
    Conheci um filósofo que dizia ter existido no Vale uma antiga civilização pre-colombiana e estes estudos linguísticos poderiam lançar alguma luz sobre isto.
    Fraterno abraço. Ivanilson (Pingo), de Rubim.

  2. Rita poma

    Muito interessante, acabei de assistir a reportagem. Parabéns a professora.

  3. Adoooorooooooooooooooooooh

  4. Dete

    Ivanilson acabei de saber desse dicionário, eu tinha proposto um projeto parecido a minha irmã já a alguns anos, vou procura-lo amanhã mesmo…quanto ao espanhol acho que faz sentido, tem outras expressões como “enriba”, encima…bjs ..Parabéns a autora. Detinha, também de Rubim.

|| EXPONHA SUA OPINIÃO ||

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

Create a free website or blog at WordPress.com.

%d bloggers like this: