Pontes do desrespeito


Em muitas localidades, a escassez das chuvas e o baixo nível dos reservatórios fazem com que governos e cidadãos desejem precipitações meteorológicas abundosas para evitar racionamentos. Em Itapiru, distrito de Rubim MG, a lógica é diferente para os quase dois mil habitantes, principalmente para aqueles que precisam ir à sede do município diariamente. O transtorno está sendo causado pela ausência de infraestrutura, pois as duas pontes que existiam na estrada para Rubim, estão em ruínas e os veículos têm que passar dentro dos córregos para chegar aos seus destinos.

Ao todo o distrito contabiliza quatro problemas com pontes. O primeiro episódio ocorreu há mais de seis anos na ponte que liga Itapiru à Catajás, distrito de Santo Antônio do Jacinto MG, sua reconstrução foi paliativa usando madeira e próxima ao nível do rio, inundando a estrutura quando as águas sobem e oferecendo risco aos usuários. A segunda ponte, que liga Itapiru a Rubim, não suportou o peso de um caminhão e caiu em Abril do ano passado, a estrutura era de madeira e sua queda gerou problemas para a região, além de comoção nas redes sociais. A terceira ponte, que ainda estava de pé, caiu em Março de 2015 e agravou a situação para chegar a Itapiru via Rubim. A quarta ponte fica na estrada para Igrejinha (Cristianópolis) que também está em péssimo estado, endossando a necessidade de que os gestores públicos do município não apenas se pronunciem, como ajam imediatamente para que não tenhamos nenhum acidente.

Este slideshow necessita de JavaScript.

O grande lesado com está situação são estudantes e professores que lecionam nas escolas do distrito. Na segunda-feira, dia 24 de Março, professores que foram trabalhar na Escola Estadual Lídio Almeida, e moram em Rubim, tiveram que passar a noite em Itapiru porque o rio estava com um volume considerável e não permitiu a passagem dos veículos. “É um absurdo. Descaso total com as pessoas” disse um dos professores indignado com a situação. Em novembro de 2014, a travessia desses professores estava sendo feita com auxilio tratores da prefeitura.

travessia de professores 2 travessia de professores

Grupos se formaram nas redes sociais para reivindicar seus direitos, gerando muita visibilidade ao problema, mas, até o momento, não obtiveram nenhuma comunicação oficial dos gestores municipais sobre o caso. “Já estamos completando quase um ano sem a PONTE (que caiu em 2014), e nem uma providencia foi tomada, nem um esclarecimento foi dado e nada foi dito a respeito da previsão da reconstrução da mesma, e ai vos digo meu povo, até quando vamos aceitar e conviver com essa falta de respeito com o nosso município?” indaga o perfil Itapiruense Indignado antes da terceira ponte cair.

Anúncios
Categories: Cidade, climatoliga, Geografia, Hidrografia, itapiru | Etiquetas: , , , , , , , , | 2 comentários

Navegação de artigos

2 thoughts on “Pontes do desrespeito

  1. Geraldo da Rocha Nascimento

    Lamentável, em pleno 2015, século XX tantos, nossos políticos/governantes só pensam no que está em torno dos próprios UMBIGOS. Até quando permitiremos isto ?

|| EXPONHA SUA OPINIÃO ||

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

Site no WordPress.com.

%d bloggers like this: